Ansiedade, a espera infinita.

ansiedade

Já sonharam que precisam fazer algo bem simples, como ir ao aeroporto, por exemplo, mas no meio do caminho começam a acontecer um emaranhado de situações desagradáveis que atrasam continuamente a chegada? A cada minuto que passa uma nova situação terrível ou fantástica sucede, e parecemos incapazes de chegar ao nosso destino. Vamos acumulando um mar de frustração e ansiedade e uma série de pensamentos negativos começam a emergir: E se eu perder o voo? E se acontecer alguma coisa? O que vou fazer? Vou perder tudo…

Outro dia tive um destes sonhos novamente, mas acordei com uma sensação de Eureca. Como se tivesse compreendido profundamente o sentido da ansiedade e a sua relação com nossas expectativas diárias.

Se dermos excessivo valor ao que está por vir, vamos viver numa constante e angustiante espera. Isto acontece porque fomos programados a querer. Enquanto não temos, vivemos na ansiedade da espera. E no constante medo de uma possível frustração. Depois, quando algo dá certo, vivemos no medo de perdê-lo ou de falhar.

Vivemos esperando o fim de semana, as férias do meio do ano, juntar dinheiro suficiente pra comprar um tênis, ou um carro, ou um apartamento… Vivemos numa espera eterna, a qual se juntam uma infinidade de eventos nem bons nem ruins por si só, mas que, quando associados a uma espera futura, significam um sofrimento dilacerante, pois nos afastam mais e mais do objetivo tão sonhado.

Não estou dizendo que não devemos ter sonhos. Na verdade acredito que nossas vidas são exatamente a materialização de nossos pensamentos. No entanto, como é possível criar metas e nem por isso ficar ansioso? Quanto mais longa e grandiosa é a meta, quanto maior a mudança que esta irá provocar em nosso estilo de vida, maior é a ansiedade que sentimos com a aproximação de seu cumprimento. O que vai acontecer? Será que vai dar tudo certo? Será que eu vou conseguir? E se… Milhares de “e se”! Infinitos e exponencialmente danosos “e se”…

Quando nos concentramos na realização daquilo que temos que fazer no momento, esquecemos toda a ansiedade. Quando nos ocupamos em realizar, não temos tempo para nos preOcupar. Pois, a cada segundo reforçamos nossa autoconfiança na capacidade de resolvermos qualquer “e se” que aparecer. Podemos tomar metidas preventivas para que nada de ruim aconteça, claro, mas, somos completamente aptos a resolvê-las se acontecerem. Temos que parar de dar tanta importância a coisas tão pequenas. Fomos destinados a grandes realizações, precisamos apenas deixar o medo de lado, quebrar a inércia e colocar a mão na massa!

Muitas vezes já chegamos àquilo que sonhávamos, mas, por termos NOVAS metas tão altas, continuamos frustrados por aquilo que não temos, ao invés de felizes por tudo que conquistamos. Temos que mudar nosso ponto de vista. O único objetivo é nos sentirmos constantemente felizes e tranquilos, sem precisarmos de um motivo para isto.

Anúncios