A revolução das diferenças

Hoje eu vi alguns filmes que estavam passando na TV e por acaso todos falavam de um mesmo tema: o preconceito. Eram todos filmes americanos que falavam sobre a diferença entre brancos e negros, homens e mulheres, gordos e magros, populares e alienados, principalmente nos anos sessenta. Também falavam, sobre a capacidade do talento de superar qualquer preconceito. De sermos todos iguais independente de como parecemos.

De tempos em tempos é bom rever estes filmes, todos juntos, assim por acaso é melhor ainda pois fortalece a mensagem. Exatamente para lembrarmos que estamos muito longe de chegar a uma realidade utópica, onde todos se sentem iguais. Passaram-se 50 anos, muitas coisa mudaram, em muitos lugares não existe mais a discriminação declarada de antes, mas continuamos a temer o diferente.

Tememos tudo aquilo ao que não estamos acostumados a ver na televisão… Uma beleza plastificada, retocada, excessivamente iluminada, super maquiada e modificada, ou seja, completamente longe da realidade e da natureza de todos. Onde todo homem é um heróis galã musculoso e perito em armas, lutas e artes marciais e toda mulher e magra, linda, alisada, siliconada, peituda, bunduda, sempre penteada, maquiada e perfeitamente depilada. Toda essa beleza idealizada e esculpida leva muitas pessoas a negarem sua beleza, a terem medo de ir pra praia, a se envergonharem do seu próprio corpo, de si mesmas. De sentirem medo ou vergonha de conhecerem outras pessoas, de sentirem-se deprimidas abandonadas. Mas como alguém pode negar a si mesmo? A única coisa realmente nossa somos nós mesmos! Somos os escultores de nossos corpos, os modeladores de nossas mentes, os protagonistas de nossas vidas. Então como podemos nos esconder pensando que não podemos nos mostrar? Que falou isso?

Hoje muitas minorias antes completamente excluídas do convívio social estão sendo integradas. Cada vez mais se descobre que pessoas diferente na verdade somam e não diminuem. Como por exemplo, têm-se percebido que pessoas com deficiências motoras, ou mentais, não são inúteis, são simplesmente diferentes. Podem não conseguir fazer muitas coisas que fazemos com facilidade, mas podem conseguir fazer tantas outras, e principalmente ver o mundo de um modo diferente do qual vemos e percebemos. Como já dizia Einstein, todo mundo é um gênio, mas, se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ela vai gastar toda a sua vida acreditando que ele é estúpido. Tem-se descoberto que quando estas pessoas são integradas às empresas, além de gerarem um background de integração social, possibilitam o desenvolvimento de grande ideias inovadoras, exatamente pelo fato de pensarem de modo diferente.

Isto foi somente um exemplo extremo. Mas como diz a frase, na verdade todos somos peixes fora d’água em tantos assuntos. Alguns são ótimos em comunicação, outros em matemática, outros em corrida, já outros em resolver problemas, têm quem tenha habilidades manuais e quem saiba cantar… Cada um de nós tem um dom, uma capacidade, uma habilidade. Não necessariamente seja uma coisa que percebamos ou que usemos conscientemente, ou ainda que seja útil no trabalho ou estudos que realizamos no momento. Muitas vezes é alguma coisa que temos uma grande facilidade, mas não percebamos o seu valor. Uma coisa que pode parecer não dar dinheiro, fama ou qualquer benefício.

Cada dia que passa, mais e mais eu percebo que muitas coisa que nos diziam quando criança são realmente verdade. Não importa com o que você trabalhe, se você gostar daquilo que faz, acreditar em si mesmo, você vai ter sucesso, e principalmente, ser feliz. Por isso, preste atenção em você mesmo, veja o que você gosta de fazer, perceba as coisas que fazem o tempo voar.

Como vocês devem ter percebido, este ano estou estudando a bíblia. Realmente é um livro fantástico e diferente de tudo que eu imaginei que fosse. É tão grandioso e com palavras tão poderosas e maravilhosas que pode ser utilizado para qualquer fim, seja para iluminar a humanidade na luta por igualdade, liberdade e fraternidade, como também, para escravizar e manipular quem está fragilizado em busca de benefícios próprios. A maior e mais importante mensagem da bíblia é a igualdade, e cada vez mais percebo que este deveria ser o principal foco do catolicismo. Não o fato de sermos todos iguais externamente, mas exatamente o fato de sermos todos igualmente diferentes. E é esta nossa diferença que possibilita criarmos coisas tão maravilhosas em tantas áreas completamente diferentes. No entanto algumas diferenças não podem mais ser toleradas, não é justo que alguns tenham tanto, inclusive o Papa e tantos outros tenham tão pouco. A história de Moisés e a terra prometida fala sobre isso: que Deus daria a eles todos os dias maná suficiente para que todos se alimentassem. Ninguém poderia guardar para o outro dia, pois assim alguém ficaria sem.

Cada dia mais tenho pensado em como tratamos nossos colaboradores, nossos servidores, nossos empregados… Damos a eles realmente o quando deveriam receber? Ou tentamos dar o mínimo para que possamos ficar com muito? Falamos tanto dos políticos, magnatas e grandes empresários, mas reproduzimos o mesmo comportamento em nossas vidas. Para mudar o mundo precisamos mudar primeiro nós. Para chegarmos a igualdade temos que tratar os outros como iguais. Claro que isso não é fácil. Na verdade é muito muito difícil mas só da pra mudar tentando.

Ps. Achei esta imagem que representa muito bem muita coisa, mas não sei de que campanha ela faz parte.

Anúncios