Completamente equilibrado, Completamente conectado.

Hoje acordei com um pensamento, praticamente um mantra: completamente equilibrado, completamente conectado. Gostei do mantra e comecei a repetir e analisar. Inicialmente parecia uma coisa óbvia, o equilíbrio e a conexão. Mas então, no meio de uma corrida purificadora,  comecei minha análise: Equilibrar o que? Conectar com quem? O que quer dizer realmente este mantra que me foi revelado hoje?

Então pensei, o equilíbrio se refere a busca do equilíbrio pessoal. Daí voltamos sempre a pergunta básica. Quem sou eu? De acordo com nossa reflexão sistêmica de ultimamente, somos um conjunto de sistemas. Não uma unidade, mas um sistema de sistemas. Mas quais sistemas que formam o Eu, e como equilibrá-los. Pensei em escrever e analisar todos os sistemas que formam o Eu, talvez podemos pensar juntos, mas depois de um tempo refletindo, acabei voltando pra boa e conhecida Santíssima Trindade, o trio que forma o ser. O corpo, a alma e a mente. E comecei a analisar exatamente o trio a partir do mantra que me foi revelado hoje: equilíbrio e conexão.

O que é cada um desses sistemas e quais são os seus papéis no equilíbrio e na conexão?

O corpo é responsável pela ação (andar, correr, comer, beber, sentir, cheirar, escutar, olhar, pegar, defecar, urinar, dormir, fazer), talvez a ação mais completa e abrangente é fazer. A função do corpo é fazer, executar.
O Eu ou alma ou intelecto é responsável pelo decidir. É responsável pelo livre arbítrio e decisões baseadas naquilo que temos como justo, ideal e verdadeiro, em modo a chegar à felicidade e à realização.

O equilíbrio entre alma e corpo é o primeiro passo. A percepção que a mente decide e o corpo executa, e que eles precisam estar em equilíbrio. Não adianta a mente decidir, se o corpo não executar. Quando isto acontece gera ansiedade, estresse, nervosismo, sensação de incapacidade ou impotência, pois a mente decide e delibera o que deve ser feito, mas o corpo não executa, não resolve, e assim, continuamente precisamos tomar as mesmas decisões frustradas, sem nada resolver e acumular mais e mais os sentimentos associados a este desequilíbrio. Por isso, a percepção e consciência deste sistema de relações existenciais entre o corpo e a mente é o primeiro passo do equilíbrio. Fazer em modo que eles trabalhem em sincronia e perfeição. Buscando sempre que o Eu decida as coisa certas e justas e que o corpo execute em modo preciso e imediato. Para chegar a este ponto, imagino que precisamos conhecer, aperfeiçoar e exercitar tanto o corpo como a capacidade de tomar decisões justas e que nos levem à felicidade e à realização.

Mas e a Mente o que é?

Se percebermos, a mente não é uma coisa que controlamos, mas sim, uma porta que nos conecta a um mundo externo. A mente nos bombardeia com milhões de informações simultâneas e exige do Eu uma decisão e do corpo uma ação. A partir desta análise, percebemos que estas informações não vêm do Eu, estas apenas bombardeiam o Eu de sugestões e o influenciam suas decisões. Ou seja, a mente é a nossa capacidade de conexão com o mundo externo ao Eu. Assim, denominamos a mente como uma coisa única, mas a própria mente em si é todo um emaranhado de entidades as quais entramos em contato. Como não temos consciência deste contato, o denominamos mente, e pensamos que todas estas entidades, sejam elas materiais ou espirituais, são uma única coisa, a mente, e que elas fazem parte do Eu. Mas a mente não faz parte do Eu, na verdade esta é todo um grupo de sistemas, aos quais nos conectamos e, por não controlarmos ou termos consciência de sua existência ou multiplicidade, chamamos de mente.

Mas o que é este mundo externo?

Assim como existe o corpo e a alma/Eu/intelecto, também existem dois mundos que nos inundam de informações. Seja o mundo material, seja o mundo espiritual, vou definir assim porque não sei outro modo de definir. E a mente é a conexão a esses dois mundos. Duas formas de energia e de entrada de informações. Percebemos o mundo material, relacionado ao corpo, com a educação, estudo, amigos, conversas, experiências sensoriais e informações que somos bombardeados pelos meios de comunicação. Mas existem outros níveis vibratórios de existência além da existência material, povoado por outras formas de energia mais sutis que nos bombardeia de perguntas, informações e sugestões, tentando manipular ou guiar nossas decisões e ações.

Esse é o segundo passo do equilíbrio, a percepção das forças ou entidades que entramos em contato e as quais agrupamos e denominamos mente. Ou seja, a análise, percepção e por fim consciência e controle de quem contatamos e nos contata, sejam estas entidade materiais ou espirituais. Em modo a percebermos que não fazem parte do Eu, mas que, como qualquer influência externa, temos a possibilidade de filtrá-las, nos atendo às que influenciam em modo positivo as decisões do Eu e as ações do corpo. Filtrar em modo que entremos em contato com entidades iluminadas, que não tentem nos manipular, mas sim guiar na busca da felicidade e realização.

Acho que finalmente entendi o porquê e como dominar a mente. Dominar a mente significa, selecionar quem entramos em contato em modo a sermos sugestionados à felicidade e à realização.

E por fim, entendi o porque o mantra de hoje, completamente equilibrado e completamente conectado. Ter consciência da existência da mente para assim poder selecionar as conexões externar e possibilitar o equilíbrio do eu completo (corpo e alma/intelecto) em modo a priorizar decisões e ações que nos tragam felicidade constante.

Acho que foi isso que minhas conexões astrais me iluminaram hoje 🙂
É somente a partir do exercício de auto questionar o nosso conhecimento, ou seja, fazer as perguntas certas, que podemos chegar às respostas que tanto buscamos e encontrar a verdade.
Tentem se conectar com entidades que iluminem o Eu, peçam informações e compartilhem aqui as iluminações reveladas… é impressionante o tipo de informação que somos capazes de receber.
Bjao

Participem da comunidade Iluminações: https://www.facebook.com/Iluminacoes
Discutam, comentem, participem!

Anúncios